Uma das pesquisas mais conhecidas e que despertam mais curiosidade para os brasileiros é a pesquisa de audiência de TV medida pelo Ibope. Como os resultados das pesquisas de audiência são feitas sob sigilo, a falta de informações acaba criando diversos mitos e até algumas dúvidas em relação à legitimidade destes tipos de pesquisa. Para tirar todas as dúvidas, o blog do Instituto PHD vai mostrar qual a metodologia de pesquisa do Ibope das TVs brasileiras.

Descobrindo quem participa da pesquisa

O primeiro passo da pesquisa de audiência da TV é a escolha das pessoas que vão servir de parâmetro para os resultados finais do Ibope. Como não é possível conversar com todas as pessoas para fazer o levantamento dos programas mais assistidos na TV, a primeira fase do instituto de pesquisa é medir o perfil que será abordado em relação a audiência televisiva. Para tanto, é feita uma pesquisa para saber quais são os perfis das pessoas que vão representar a audiência.

São feitas perguntas com milhares de pessoas pré-selecionadas para descobrir dados como idade, sexo, poder aquisitivo, número de pessoas na casa, entre outros. A partir destes dados se faz um comparativo com os dados totais da população do local pesquisado. Ou seja, cruzam-se os dados das pessoas que responderam a primeira pesquisa e os resultados do Censo da cidade. Ex: se uma cidade têm 60% de pessoas na classe C, o Ibope vai escolher 60% de pessoas desta classe para fazer a pesquisa.

Pesquisa de Audiencia

Como se faz a pesquisa de audiência da TV

Poucas pessoas são as privilegiadas que participam da pesquisa do Ibope. Em São Paulo (cidade com 11 milhões de pessoas), apenas 750 participam da pesquisa. Estes escolhidos têm em casa um aparelho chamado Peoplemeter, que é instalado diretamente na casa destas pessoas. Outras 15 cidades do Brasil contam com pessoas que utilizam o aparelho. No Brasil, cerca de 6 mil pessoas servem como base para os resultados do Ibope.

O Peoplemeter é ligado em todos os televisores da casa. É um aparelho bem rústico, semelhante a um receptor de antena parabólica e que conta com um controle remoto similar aos dos televisores dos anos 80. Quando liga a TV, o usuário da casa que vai participar da medição do Ibope digita um código identificador. Cada morador da residência tem um código diferente. A partir daí o trabalho é feito pelo aparelho, que capta o canal que está sendo assistido e envia os dados para a central do Ibope.

Existem dois dados resultantes desta pesquisa: a audiência e o sharing. Enquanto o primeiro leva em conta a proporção de pessoas assistindo a um programa em relação ao número de participantes da pesquisa, o outro é a relação do total de pessoas com o total que estão com televisores ligados. Apenas a cidade de São Paulo capta os resultados em tempo real. Os participantes da pesquisa não ganham remuneração, mas têm acesso a alguns brindes do instituto de pesquisa.